Esmalte total

Sō-gusuri, é uma expressão japonesa que significa a aplicação total da peça por esmalte. O prefixo sō segue o exemplo das palavras japonesas sō-ryoku (força total), sō-gō (síntese), etc. e tem o sentido de “total, tudo” e uwagusuri (do sufixo gusuri) significa esmalte em japonês. Quando uma peça cerâmica é totalmente coberta por esmalte, inclusive sua base é chamada, assim, de sō-gusuri.

Podemos ver o uso desta técnica quando, por exemplo, era aplicado sobre ela o esmalte celadon (saiba mais sobre esse esmalte aqui). Nesse caso, eram despendidos consideráveis esforços  para que nenhuma parte da argila fosse mostrada, inclusive na área de contato da peça com a base de apoio, parte essa chamada em japonês de tatami-tsuki.

Além disso, os chawans (tigelas cerimonias de chá) japoneses da era Momoyama, queriam capturar da beleza simbólica dos esmaltes negros e vermelhos. Essas cores puras representavam o ápice da beleza através do esmalte e para cobrir inteiramente o chawan, eles empregavam a técnica de sō-gusuri.

Me-ato

Acontece é que o esmalte, em altas temperaturas, derrete-se e transforma-se em uma substância vítrea. Quando o esmalte esfria e endurece, ele gruda a base da peça na prateleira do forno. Para evitar isso ou base da peça não recebe a aplicação do esmalte, mostrando a argila “nua” (tsuchi-mise) ou então são pensadas em soluções, como pedaços de argila arredondados colocadas na parte debaixo da peça, no tatami-tsuki. Como resultado, podemos ver no tatami-tsuki as marcas desses apoios, chamados  em japonês de me-ato (literalmente, rastro do olho).

Também, nos fornos à lenha, as cinzas provenientes da queima da madeira cobrem as peças, paredes e prateleiras e devido à alta temperatura, vitrifica-se. Com o passar do uso, as superfícies de apoio ficam cobertas desse esmalte natural. Se não houver um trabalho para a raspagem das prateleiras (o que é bem laborioso), as peças eventualmente irão aderir-se à base, sendo assim necessário o emprego o uso das bolinhas de argila na base das peças mesmo quando não for aplicado o esmalte sobre a peça.

Decoração com conchas

Uma das formas mais interessantes de proteger a peça da adesão à superfície de base do forno é chamado em japonês de kai-metsumi. As conchas resistem bem ao calor do forno e ainda deixam um desenho interessante na superfície da peça. Alguns ceramistas então substituíram o uso das bolinhas de argilas por conchas. Essa técnica, que nasceu de uma necessidade acabou se transformando em uma decoração. O tipo mais usado é o das conchas bivalves de uns poucos centímetros de tamanho. As Akagai (conchas vermelhas) são as mais representativas e, dentre elas, são usados os exemplares de tamanho reduzido, como as do molusco conhecido como Shijimi no Japão.

A palavra sō-gusuri é uma expressão muito empregada no Japão para as peças de chawan e para as peças de formatos de tigelas (wan-nari). Isso porque lá, a base da peça também é objeto de apreciação. Espero que esse texto seja proveitoso para sua consulta na hora da apreciação ou escolha de uma peça cerâmica.

Fonte:

Anúncios